Porque é que o Planeta Mercúrio é tão Peculiar

Mercúrio, o runt da ninhada solar – MPI/Getty Images

Mercúrio, o runt da ninhada solar MPI/Getty Images

Por Michael D. Lemonick

7 de Julho de 2014 12:00 PM EDT

Mercúrio, Vénus, Terra e Marte são conhecidos colectivamente como os planetas rochosos, em contraste com os gigantes de gás do Sistema Solar – Júpiter, Saturno, Urano e Neptuno. (Plutão é um anão do gelo, o que o faz parecer um personagem de um filme da Disney ou do Jogo dos Tronos, mas isso é outra história)

Mas Mercúrio não encaixa bem com os outros mundos rochosos, diz Erik Asphaug, um cientista planetário da Universidade Estatal do Arizona. “A maioria, incluindo a Terra, tem uma composição que é cerca de um terço de ferro metálico e dois terços de rocha. Mercúrio é o contrário”

Isso é um problema para os cientistas, que não gostam de anomalias – pelo menos não sem explicações. Mas, neste caso, pode haver uma resposta simples: Mercúrio é de longe o planeta mais pequeno – cerca de um terço do diâmetro da Terra – o que sugere que em tempos teve uma casca espessa e rochosa, mas que foi removido de alguma forma, durante os primeiros dias do Sistema Solar. Então para onde foi toda a rocha?

p>Asphaug pensa que tem a resposta. “Estamos de pé em cima dela”, diz ele. É a conclusão a que chega num novo artigo da revista Nature Geoscience, no qual ele e o co-autor Andreas Reufer, da Universidade Suíça de Berna, apresentam o que equivale a uma grande teoria unificada da formação de planetas rochosos.

O seu ponto de partida é o tempo, cerca de 100 milhões de anos após o nascimento do sistema solar, em que o disco original empoeirado de matéria que circulou o Sol se tinha coalescido em seixos, depois em rochas, e finalmente em cerca de 20 objectos mais ou menos do tamanho de Marte (que em si mesmo é cerca de metade do tamanho da Terra) – o último passo antes de mais uma grande consolidação, em que os quatro planetas interiores familiares tomaram a sua forma final.

Tudo isto é praticamente consensual na comunidade das ciências planetárias. Todos concordam ainda que esse passo final foi algo como um derby de demolição interplanetária, com corpos maciços a baterem uns nos outros, esmagando-se uns contra os outros, e depois re-formando-se em objectos ainda maiores.

O que o novo papel agora explica, baseado em simulações de computador, é como Mercúrio e Marte, cuja massa soma menos de 10% do total, foram deixados para trás quando o resto dos objectos se fundiram, ou acresceram, para formar a Terra e Vénus maiores. “Para não ser acrescido”, explica Asphaug, “um planeta tem duas opções: evitar todas as colisões com proto-Venus e proto-Terra, ou que cada colisão seja uma colisão de ‘atropelamento e fuga’ que não resulte em acréscimo.”

Por outras palavras, diz Asphaug, “se Marte e Mercúrio são os últimos sobreviventes de uma população original de 20 planetas do tamanho de Marte, então seria de esperar que um deles fosse um soldado que perdeu toda a acção, que dormiu durante a luta ou se escondeu”. Este é o planeta a que agora chamamos Marte.

Como para Mercúrio, viu muita acção, mas seria aquele que foi atingido principalmente por golpes de relance, com as camadas exteriores a serem removidas e um planeta sucessivamente mais pequeno a sobreviver. “O Mercúrio original”, diz Asphaug, “pode ter sido talvez três vezes a massa de Mercúrio actual, mas perdeu o seu manto rochoso quando teve impacto em proto-Venus ou proto-Terra”

Não só é que a explicação provável, mas estatisticamente inevitável. Tendo em conta 20 objectos do tamanho de Marte para começar, diz Asphaug, “espera-se acabar com uma aberração repetidamente desnudada, um núcleo planetário sem o seu manto”. Terra e Vénus teriam prontamente devorado parte do que Mercúrio perdeu.

O mesmo período de tiro-galeria na história do sistema solar também explica a formação da Lua, que é o oposto composicional de Mercúrio, com muita rocha e muito pouco ferro. Depois de a Terra se ter formado a partir dos protoplanetas do tamanho de Marte que estavam a chocalhar sobre o sistema solar, foi batida com força por mais um deles – mas em vez de apenas adicionar ao já formidável volume da Terra, esta colisão vaporizou parte do impactor e algumas das camadas exteriores da Terra.

Que os detritos entraram em órbita, depois coalesceram para formar a Lua. E isso levanta uma intrigante contra-teoria: talvez esse impactor de tamanho Marte, a que os cientistas planetários chamam Theia, seja o objecto que se tornou Mercúrio. Se isso estiver correcto, a resposta para onde foi a camada exterior rochosa de Mercúrio pode afinal não estar debaixo dos nossos pés.

P>Pode, em vez disso, estar a pairar mesmo por cima das nossas cabeças.

p>Contacte-nos em [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *